Depois do RWA, nova tecnologia FWA pode impulsionar adoção da blockchain e das criptomoedas

Por Luciano Rodrigues
Foto: Dall-e 3

Depois dos tokens RWA, que estão unindo as criptomoedas com o mercado tradicional de investimentos, uma nova tecnologia (que não tem nada a ver com cripto) pode ajudar a impulsionar o uso e adoção da blockchain e das criptomoedas em todo o mundo, o FWA (Fixed Wireless Access).

O que era apenas uma tendência no mercado de conectividade, agora se tornou uma realidade, e o crescimento do FWA tem chamado a atenção do mercado de banda larga em escala global. Esse termo, que se traduz livremente como “Acesso Fixo Sem Fio”, refere-se a uma tecnologia de comunicação que oferece conectividade de banda larga, utilizando ondas de rádio para transmitir dados entre a estação rádio base e o terminal do assinante, em vez de depender de cabos físicos, como fibra óptica, cabo coaxial ou par trançado.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

A implementação do FWA é frequentemente escolhida em áreas onde a infraestrutura de cabo é difícil ou há um alto custo de instalação, como em regiões rurais, suburbanas ou áreas remotas que portanto, pode aproveitar os benefícios da internet (e da blockchain) com este novo tipo de conecção.

Além disso, o FWA é a principal solução de redundância indicada quando o link primário é a fibra, especialmente para aplicações críticas como segurança e transações financeiras.

Esta tecnologia ganhou grande popularidade nos mercados dos Estados Unidos, México, América Latina e em algumas áreas da Ásia, como o Japão. Quando combinada com conexões 4G ou 5G, o FWA não apenas proporciona acesso à internet em áreas remotas, mas também oferece maior velocidade e capacidade de navegação.

🎯 As Melhores Memecoins para Comprar Agora
Confira as Oportunidades e Comece a Investir

De acordo com uma pesquisa da Global Data, até 2028, o FWA deve representar 15,8% da base de assinantes de banda larga fixa nos EUA, mais do que o dobro do atual índice de 7,2%. Estima-se que a receita proveniente dessa aplicação cresça em média 24,8% ao ano nos próximos cinco anos.

FWA

No Brasil, o FWA representa uma significativa oportunidade de aumentar o acesso à internet de alta performance, beneficiando não apenas os consumidores, mas também os setores de varejo e serviços. Negócios locais, indústrias regionais e até mesmo o agronegócio podem aproveitar essa tecnologia para implementar soluções como dispositivos de monitoramento de safras e controle de estoques.

“O Brasil, dadas suas dimensões e possibilidades, oferece inúmeras aplicações para o FWA. Podemos considerar que esta tecnologia surge como um facilitador para o acesso à economia digital, informação, telemedicina, IoT, entre outros, impulsionando indústrias e comércios locais. Essa solução de internet sem fio é altamente adaptável às demandas de mercado, proporcionando uma série de possibilidades”, explica Claudio Blatt, Presidente do Conselho da Elsys, pioneira no desenvolvimento de soluções FWA.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

A Elsys, com experiência no mercado de FWA no Brasil e atuação no mercado americano, apresentou o Amplimax Ultra na CES 2024, a maior feira de produtos eletrônicos do mundo, realizada na última semana pela Consumer Technology Association, em Las Vegas.

Um produto totalmente brasileiro, desde a concepção até a fabricação, realizado integralmente dentro da empresa. “O setor de telecomunicações no Brasil é extremamente robusto e capacitado, constantemente inovando para levar as melhores soluções aos usuários. Acreditamos que, com o processo de implantação do 5G, temos um caminho muito promissor a seguir”, completa Blatt.

“O Brasil possui um gap muito grande de infraestrutura. Com o lançamento das redes 5G e rápido avanço em muitas cidades do Brasil, entregando uma conectividade comparável ou superior à da fibra em muitos casos, a Elsys apresentou o Amplimax Ultra como uma solução inovadora para o mercado corporativo”, explica Marcos Felinto, Gerente Comercial Corporativo da Elsys.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE
Compartilhe este artigo
Siga:
Jornalista, assessor de comunicação e escritor. Escreve também sobre cinema, séries, quadrinhos, já publicou dois livros independentes e tem buscado aprender mais sobre criptomoedas, o suficiente para poder compartilhar o conhecimento.
Sair da versão mobile